Uma origem africana da filosofia

A filosofia começa 2800 anos a.C. com pessoas de pele negra do Vale do Nilo, ou seja, 2200 anos antes do aparecimento de Tales de Mileto, considerado o primeiro filósofo ocidental. Nossos ancestrais 30.000 anos atrás separavam ocre vermelho de ferro em uma caverna da Suazilândia. Eles deveriam ter alguma ideia sobre aquilo que estavam fazendo. Devia haver alguma reflexão, algum processo pelo qual os anciões determinavam o que era para ser utilizado, para o que e em qual ocasião. Dessa forma, antes mesmo da escrita, temos evidências de que os africanos estavam engajados em discussões significativas sobre a natureza de seu ambiente. Leia mais… »

O Ankh: Origem Africana do Eletromagnetismo

O CARÁTER BÁSICO DA Ciência Africana é a promoção da vida, ao contrário da preocupação Euro-cêntrica com tecnologia destrutiva ou baseada em armas. Devido a esta mentalidade, a visão de que toda ciência tem algumas armas em potencial, os Europeus têm a intenção de suprimir a Ciência do Ankh como uma questão de Segurança Nacional. A sua necessidade de deseducar as crianças Africanas resulta de um medo muito real, de que a memória genética desses gigantes mentais seja despertada. Leia mais… »

O nome Kemet e o esforço para embranquecer o Egito Antigo

Para os gregos e romanos antigos, o “Egito” era um país africano, e seus artistas retratavam os “egípcios” como africanos, com pele negra e cabelos encaracolados. Os Keméticos também se viam como negros, nos quadros do Vale dos Reis, documento encontrado na expedição de Napoleão veio ratificar os testemunhos oculares de historiadores, geógrafos e filósofos gregos da antiguidade, Leia mais… »