As principais temáticas tratadas por Cheikh Anta Diop

Estas são as principais temáticas contidas na obra de Cheikh Anta Diop:

a) A origem do homem e suas migrações.

Entre as questões tratadas nesta rubrica figura aquela da origem da humanidade que nasceu na África, de onde partiram as grandes correntes migratórias para o Oriente Próximo, a Europa, a Ásia e a Oceania;

b) O parentesco entre o Egito antigo e África negra moderna.

Estudado através do povoamento do vale do Nilo, a gênese da civilização núbio-egípcia, as semelhanças e similitudes (o parentesco) tanto no plano antropológico e etnográfico quanto ao nível das estruturas políticas e da cultura material.

c) A questão da evolução das sociedades.

Vários desenvolvimentos importantes são consagrados: pela gênese das mais antigas formas de organização social encontradas nas áreas geográficas meridional (África) e setentrional (Europa); Pelo nascimento e ou pela formação do Estado; Pela organização dos Estados africanos após o declínio do Egito; Pela caracterização das estruturas políticas e sociais africanas e europeias antes do período colonial, assim como por sua respectiva evolução.

d) A contribuição da África para a civilização universal.

Esta contribuição está sintetizada em inúmeros domínios, tais como a metalurgia, a escrita, as ciências (matemáticas, astronomia, medicina…), as artes e a arquitetura, as Letras, a Filosofia, as religiões reveladas (Judaísmo, Cristianismo, Islamismo), etc.

e) O desenvolvimento econômico, técnico, industrial, científico, institucional e cultural da África. Todas as questões maiores que exige a edificação de uma África moderna são abordadas:

Controle dos sistemas educativo, cívico e político com a introdução e a utilização das línguas nacionais em todos os níveis da vida pública, o equipamento energético do continente, o desenvolvimento da pesquisa fundamental e aplicada, a representação das mulheres nas instituições políticas, a segurança do continente, a formação de um exército continental (na) construção de um estado federal democrático, etc.

A criação, por Cheikh Anta Diop, do Laboratório de datação para o radiocarbono que ele dirigiu até seu desaparecimento, é significativa
de toda a importância que ele dava ao “enraizamento das Ciências na África”.

f) A edificação de uma civilização planetária:

A humanidade deve romper definitivamente com o racismo, os genocídios, e as diversas formas de escravidão. A finalidade e o triunfo da civilização sobre a barbárie. Cheikh Anta Diop busca contribuir “[…] para o progresso geral da humanidade e parra a eclosão de uma era de convivência universal […] Todos nós aspiramos ao triunfo da noção de espécie humana nos espíritos e nas consciências, de modo que a história particular de tal ou tal raça se apague diante daquela do homem, simplesmente. Então, será preciso, descrever, somente, em termos gerais – que não darão conta das singularidades acidentais tornadas desinteressantes as etapas significativas da conquista da civilização pelo homem, pela espécie humana como um todo. A idade da pedra talhada e a conquista do fogo,o neolítico e a descoberta da agricultura, a idade dos metais, a descoberta da escrita, etc. etc. serão apenas descritos como os instantes emocionantes das relações dialéticas do home e da Natureza, a série de “desafios” da Natureza incessantemente enfrentados pelo homem”. (Cheikh Anta Diop, Anterioridade das civilizações negras – Mito ou verdade histórica ). Cheikh Anta Diop anseia pelo despontar da era que veria todas as nações do mundo se dar a mão “para construir a civilização planetária ao invés de mergulhar na barbárie” (Cheikh Anta Diop, op. cit)

O êxito de um tal projeto pressupõe:

A denúncia da falsificação moderna da história.
Segundo Cheikh Anta Diop,

A consciência do homem moderno só pode progredir se realmente se ela está decidida a reconhecer explicitamente os erros de interpretações científicas, mesmo no domínio muito delicado da História, retornando às falsificações, denunciando as frustrações de patrimônios. Ela se ilude, ao querer assentar suas construções morais sobre a mais monstruosa falsificação da qual a humanidade jamais se tenha culpabilizado ao pedir às vítimas de esquecer para melhor chegar ao futuro” ( Cheikh Anta Diop, Anterioridade das civilizações negras – mito ou verdade histórica? )

A reafirmação da unidade biológica da espécie humana, fundamento de uma nova educação que recusa toda desigualdade e hierarquização raciais e a luta contra os preconceitos tenazes. Sobre isso, ele escreve:

O clima, pela criação da aparência física das raças, traçou fronteiros étnicas que, obviamente, afrontam a imaginação e determinam os comportamentos instintivos que fizeram tanto mal na história. Todos os povos que desapare ceram na história, da Antiguidade aos nossos dias, foram condenados, não por alguma inferioridade original, mas por sua aparência física, suas diferenças culturais. […]Logo, o problema é de reeducar nossa percepção do ser humano para que ela se descole da aparência racial e se polarize sobre o humano desembaraçado de todas as coordenadas étnicas”. (C. A. Diop, “A unidade de origem da espécie humana”, In Atas do Colóquio de Atenas: Racismo, ciência e pseudociência. Paris: UNESCO, 1982.)

Fonte: Panorama historico da vida do pensamento e obra de Cheikh Anta Diop

(Visited 8 times, 1 visits today)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *